O Dever Me Chama (BX-7FF-18-00001)

O tempo passou e eu nem vi, não dei o devido valor
nego dizendo que era foda e eu achando que era amor
disse que o rap era nós, que a favela tem voz
e minha marmita azedando enquanto gritava o algoz
 
De pé!!! Seis da matina, sonhando com a multidão
sugado no trem lotado pra não pegar no canhão
desviando das bala, dos caras que puxam pra baixo
sem droga, sem cana, sem perspectiva… é, eu acho que
 
o coração não se engana, mas cadê a grana?
Não se trata de fama, só de sobreviver
o dever me chama, mas tô pisando na lama
quero mudar o mundo, mas nem tenho o que comer
 
Até que ponto foi ilusão?
Não quero voltar, tem que correr 
pra rima vingar, o trampo crescer
tem que acreditar 
que dá pra fazer
Vou me jogar, vou me convencer 
que tô pra somar,
mas tem que saber que é pra valer,
tem que amar, viver ou morrer.
 
No meu primeiro show tinha uns quinze e eu lá em cima do palco
Dez de costas pra mim, cinco com a mão pro alto
e eu mandando minha letra, cantando Dico Sequela
meu cachê era um mate e um pão com mortadela
 
Negô, chegava em casa com as mãos abanando
minha mina olhando calada, minha filha no chão chorando
minha mente desnorteada, não enxergava a verdade
estava indeciso entre o sonho e a minha realidade
 
sem pena o tempo passou, os dias viraram meses
essa história que narro se repetiu várias vezes
minha filha cresceu, alguns amigos morreram
meus sonhos multiplicaram e os objetivos cresceram.
 
Hoje, DMA, focado, de volta no jogo
dando meu sangue e combatendo sempre fogo com fogo
não tenho nada a perder, tudo ficou no passado
e quem não tá pra somar, não pode estar do meu lado.
0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *